Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Este livro (ainda) não tem nome

Entre e leia-me. Sinta-se como se estivesse em sua casa, eu vou fazer por isso

Este livro (ainda) não tem nome

Entre e leia-me. Sinta-se como se estivesse em sua casa, eu vou fazer por isso

Até prova em contrário...

https://tviplayer.iol.pt/programa/goucha/5fe21c220cf2ec6e471a5d6b/video/631781410cf2ea4f0a5afff0

Ver isto, fez me finalmente perceber o sentido destes programas. Nos 2 primeiros clipes do programa, ele descreve exatamente como me sinto, como me senti, desde 2012, quando comecei a ter dores de tal forma que inteferiam no meu dia a dia.

Ser médico provavelmente ajudou - o na credibilidade, eu andei vários anos a ser tratada para uma depressão que já tinha existido mas já não existia, a tentarem dar um nome a uma coisa que ainda hoje não se sabe bem o que é. Psiquiatria , auto-imunes, psicologia, reumatologia, fisiatra, gastroenterologia, ... .

Continuo a ter dores, todos os dias, mas neste momento já nem faço medicação. Contando que a rigidez me deixe ter uns dias praticamente normais, a dor torna - se um hábito. Tal como a medicação, que se titula conforme as necessidades.

Houve um dia, no mês de Maio que não tive dor. É uma leveza inimaginável.

Acho que agora, depois de ter deixado de necessitar de trabalhar como uma louca para equilibrar as contas, encho os meus dias para provar a mim própria que sou capaz, que consigo, embora esteja muito mais lenta do que seria de esperar de um corpo da minha idade.

Corpo de 65, alma de 25. Foi preciso deixar de sentir um pé e deixar de andar, para se perceber que afinal também tinha uma hérnia a estrangular um nervo. Foi um ano diferente, mas a pausa da recuperação permitiu me deixar a medicação, o intestino melhorou e tive alta da gastro (menos uma) . Não sei por quanto tempo. Mas até prova em contrário, ninguém me convence que vou ter dor para sempre...

É isto!

Sai do quarto Gonçalo, é só o que te posso aconselhar, esquece os diagnósticos e vai fazer algo que realmente gostes. A vida não são só as desgraças que viste acontecer à tua volta!